Ficha Técnica

Rio Music Market 2021

6-9 dez 2021

Coordenador Geral e Curadoria

Carlos Mills

Coordenação de produção RMK

Marcelo Cabanas

Coordenação de projeto

Sandra Rodrigues

Curadoria e produção executiva dos showcases

Aline Brufato

Produção executiva

Eduardo Cabanas

Mediação Palco Giro Digital

Camila Martins Ribeiro
 

Assistente de produção

Teresa Duque Estrada
 

Assesoria de imprensa

Atômica Lab

Assessoria de mídias digitais​

Beto Feitosa | Webduzido

Apresentadora

Lu Oliveira

Rebranding​

Roberta Senna​

Logomarca e identidade visual​

Flavia Gil

Programação visual

Luciane Nardi

ABMI

Conselho Diretor

Presidente

Carlos Mills
Mills Records (RJ)

Vice-Presidente

Nando Machado
ForMusic (SP)

Conselho Diretor

Antônio Pontes
Biscoito Fino (RJ)

Conselho Diretor

Carlos Andrade
Visom Digital (RJ)

Conselho Diretor

James Lima
Smart Rights (SP)

Conselho Diretor

Maurício Bussab
Tratore (SP)

Conselho Diretor

Maurício Tagliari
Ybmusic (SP)

Conselho Diretor

Renato Vanzella
Nomade Label Service (SP)

Conselho Diretor

Wilson Souto Junior
Atração Fonográfica (SP)

Conselho Fiscal

Marcia Daher Nunes
Movieplay (SP)

Conselho Fiscal Suplente

Rafael Hauchk
Audio Porto (RS)

Equipe

CEO

Sandra Rodrigues

Diretor Executivo RJ

Marcelo Cabanas

Diretor Executivo SP

Sérgio Mendonça

Assessoria de Mídias Digitais

Beto Feitosa

Administrativo

Jenifer Cristine

Patrocinadores

Patrocínio Master

merlin wht icon x

Patrocínio

vydialogo horizontal gradient black text

Apoio

logoubc azul
fuga logo blue large

Player de música oficial

amazon music indigo

Parceria

teatro claro rio
logo win
logo mra redesign principal
logo palcos preto
giro
great condensed logo rgb colour red background
logo
womex black

Realização

logo abmi

O cantor e compositor pernambucano João Fênix se mudou de sua Recife natal para o Rio de Janeiro na década de 1990. Logo após sua chegada estrelou e chamou atenção no elenco domusical “Os quatro carreirinhas”, dirigido por Wolf Maya em 1996. A dobradinha com o diretor se estendeu para a música, e Wolf dirigiu o primeiro show solo de Fênix, que ficou em cartaz durante sete meses entre 1996 e 1997, com indicação do jornal O Globo.

Ao longo dos anos tem dividido seu tempo entre Brasil e EUA. Morou em Nova York por oito anos, onde se apresentou regularmente e com grande sucesso ao lado de uma banda brasileira radicada naquela cidade, chegando a ser destaque em uma edição de domingo do New York Times. Entre os membros da banda estavam nomes como Pedro Baby, Joana Duah e Barbara Mendes. No Brasil voltou a ter experiência no teatro sob direção de Gerald Thomas.

Intérprete de repertório cuidadosamente escolhido em sua carreira solo, com sua voz exótica, João Fênix lançou seu primeiro álbum em 2001 com produção musical compartilhada com o maestro Jaime Alem. O álbum do estreante chamou atenção da crítica e trouxe participações de nomes como dos cantores Ney Matogrosso e Otto, do percussionista Naná Vasconcellos, do grupo A Parede, do guitarrista Victor Biglione, entre outros.

Sua discografia seguiu relevante e construída de forma original, mantendo a parceria com Jaime Alem, mas somando visões de produtores como Jr Tostoi e Guilherme Kastrup. O segundo álbum, “Marfim”, veio dois anos depois, em 2003. O registro ao vivo do show “Ciranda do mundo” foi lançado em 2011 com participações de Zé Ramalho e Silvia Machete, seguido um ano mais tarde pelo álbum autoral “A foto onde eu quero estar”. Em 2017 foi indicado como Melhor Cantor na categoria MPB do Prêmio da Música Brasileira pelo álbum “De volta ao começo”, lançado em 2016. Lançou em 2018 “Minha boca não tem nome”, cujo
show e álbum receberam ótimas críticas.

Em julho de 2021 João Fênix lança o sétimo trabalho, o álbum “Gotas de sangue” pelo selo Biscoito Fino, delicado registro de voz e piano, em duo com o pianista Luiz Otávio, prestigiado instrumentista no cenário do jazz. O pianista, que toca desde os quatro anos de idade, quando já tirava as primeiras notas musicais em um piano de brinquedo no Instituto Benjamin Constant – escola especializada no ensino para pessoas com deficiência visual no Rio de Janeiro – já esteve no palco com artistas consagrados como a cantora Leny Andrade e o compositor João Bosco, entre muitos outros.

O álbum novo de João Fênix e Luiz Otávio é uma confissão, um testemunho da fragilidade masculina perante a força feminina, em tempos modernos!

Projeto musical /audiovisual/literário  de Fausto Fawcett, Jarbas Agnelli e Jodele Larcher com participação de Carolina Meinerz.

O disco  tem  nove musicas compostas por Jarbas com letras de Fawcett. São elas:  PRIMITIVO TAMBOR,  GUINDASTESEVANGÉLICOS, FESTA NO IATE ESPACIAL, CORAÇÕES FLUTUANTES, PSICÓTICA MÃE, NUVENS DE JAMES BROWN, O QUE É E O QUE NÃO É REAL, CORAÇÃO DE JESUS, FAVELOST O BAILE.

Essas nove faixas serão entremeadas por nove vinhetas de um minuto e meio contendo narrativas curtas, textos rasantes nas vozes de Fausto e Carolina envolvidos por tapeçarias musicais criadas por Agnelli.

Abrindo os trabalhos um prólogo noize intitulado GAFANHOTOS FONOGRÁFICOS. Track de ruídos e interferências sonoras de 15s

As musicas foram  concebidas em Fevereiro de 2020. Concebidas no sentido de  conjugação letra e musica pois Jarbas já  tinha um arsenal de composições à espera de ser acionado e isso aconteceu graças ao empenho de Jodele, mentor desse encontro e que já vem trabalhando com Fawcett há dois anos. Ele disse para  FF que ele precisava  se encontrar, conhecer, trabalhar com Jarbas, que o estúdio dele era sensacional, um bunker inspirador para  viagens textuais e também para concepções de registro audiovisual além de  Jarbas ser um excelente  designer o que permitiria, além da musical, outras conjugações, outras parcerias.

Jarbas em Dezembro de 2019 enviou o tal arsenal para Fawcett que escolheu então nove tracks e no segundo mês de 2020 eles se reuniram no estúdio de Jarbas em SP que realmente era uma jóiade mobília eletrônica com aparelhagens contemporâneas acopladas ou convivendo, funcionando com aparelhagens (teclados, gravadores, computadores, monitores, pedais ..) de várias épocas num hibrido analógico – digital simplesmente sublime.

Fawcett há muito queria trabalhar com sonoridades e climas saídas de um ambiente como esse. Conversou muito sobre isso com Jodele. E foi nesse bunker que as letras foram feitas enquanto loops das batidas, das músicas rolavam.

Enquanto Jodele registrava e registrava para compor sua partitura visual. O que, aliás, acontecia de forma gigantesca num telão que reproduzia numa parede do estúdio as linhas coloridas das gravações. Programações manipuladas por Jarbas criando palimpsestos sonoros enquanto Fawcett manipulava palimpsestos textuais . Camadas de textos e camadas de sons, notas e palavras improvisando uma Cabala  inédita chamada Favelost. Fábulas sendo rabiscadas numa gruta imaginária  e o sofisticado digital  simulando analógico sound, o básico primitivo  analógico mental, sensorial, emocional. Antiguidades gigantescas presentes nas atualidades frenéticas.

Além do estúdio bunker uma  outra inspiração aconteceu. As historias do bisavô de Jarbas Furio um musico excepcional que ele pretende homenagear e apresentar definitivamente ao publico em geral em breve num outro trabalho. O órgão da Catedral da Sé em SP foi construído por ele, concebido por ele. Só pra constar… Fawcett e Jodele  ficaram fascinados pelas histórias e composições de Furio. O disco tinha que ter uma musica dele, e ela foi extraída de uma de suas partituras de inspiração religiosa. CORAÇÃO DE JESUS.

Outra presença importante é a de Carolina Meinerz que já dirigiu e atuou numa adaptação de Fawcett para a peça Salomé de Oscar Wilde e há alguns anos divide o palco com ele e outros participantes  no evento literário musical Trovadores do Miocárdio que acontece  em SP na Balsa. Ela é a musa / avatardas vinhetas que serão expandidas por Jodele e Jarbas  em peças áudio-gráfico-visuais. Companheira perfeita.

As vinhetas são o segundo momento do projeto, o momento pandêmico (a partir de Março) quando o trabalho entrou no modo avião remoto. Mas não parou.

FAVELOST é a crônica musical que dá um rasante nos sentimentos contemporâneos, nas rações afetivas, amorosas cercadas, instigadas por velocidade, precariedade, ansiedade, brutalidade. Uma opereta de falação ritmada tocando nesse assunto. Rapsódia eletrônica inspirada nos gritos e sussurros das atualidades. O que é muito antigo ninguém segura.

FAVELOST  A Cabala improvisada. O disco.

O violonista Zé Paulo Becker prepara o lançamento de seu 16º disco (10 da carreira solo + 5 com o Trio Madeira Brasil). O disco se chama Outro Mundo e traz 8 faixas inéditas compostas pelo violonista. Com um caráter mais jazzístico a formação básica do disco é violão, baixo, bateria e piano. Em algumas faixas o violonista traz a novidade de tocar guitarra. As composições desse álbum têm uma clara influência da música mineira, do universo de Milton Nascimento e do guitarrista americano Pat Metheny.

Para o show de lançamento a formação da banda é a seguinte:

Zé Paulo Becker – violão

Guto Wirtti – baixo

Cassius Theperson – bateria

Pedro Franco – violão, bandolim e guitarra

Marcelo Caldi – teclados

Além das músicas do disco novo o repertório é compostos de composições de outros discos de Zé Paulo que ficaram notórias nas segundas feiras do Bar Semente na Lapa aonde o violonista tocou semanalmente por quase 20 anos